Opinião da Gazeta

Pela concorrência saudável

Com a água batendo nos fundilhos, os taxistas de Bento Gonçalves não ficaram só na reclamação e ação de protesto. Como empreendedores modernos agiram rápido e se renderam aderiram ao aplicativo, como mostra a reportagem de capa desta edição. O “Bento Táxi Online” é uma proposta de melhorar o serviço e acabar de vez com as reclamações recorrentes da falta de delicadeza ao atender o passageiro, entre outras. O aplicativo

“Se não têm pão, que comam brioches”

O indiciamento do Advogado Roger Bellé e seus comparsas pela Polícia Federal é, sem dúvida, um motivo para não desanimar neste Brasil de tantos “espertos”. O trabalho do delegado da Polícia Federal que puxou o fio da meada no caso desta série de crimes praticados contra os cidadãos e a União é louvável. É a mesma Polícia Federal que está sendo cerceada em todo o país, com cortes nas verbas

Buscar alternativas para o acesso à informação

Os moradores da área rural de Bento Gonçalves sempre estiveram à merce das benesses, até porque ninguém em cargo eletivo os representa há décadas. No senado e na Câmara dos Deputados existe a bancada ruralista que defende quem financiou suas campanhas: os grandes empresários do campo. Os pequenos empresários rurais, que vivem do trabalho em seus minifúndios só são lembrados nas festas das comunidades em época de campanha eleitoral, onde

Semana de perdas

Depois de denúncias internas, a Polícia Federal, junto com a Controladoria Geral da União aterrissou na Embrapa Uva e Vinho para buscar provas de compras sem licitação, favorecimento de parente de funcionário e superfaturamento de obras. Até que se esclareçam os fatos, fica exposta uma disputa interna que há anos era apenas murmurada pelos corredores. A Chefia da Embrapa tem se revezado entre um dos grupos nas últimas décadas e

Onde estão os que deveriam fiscalizar?

Na edição de hoje há uma reportagem sobre a tentativa da atual administração em fraudar um projeto da construção de um centro odontológico regional. O termo fraudar é realmente muito forte, mas qual é o termo que deve ser usado quando o gestor só admite que mudou o projeto e não devolveu a verba não utilizada? O valor só vai ser devolvido depois de meses de execução de obra, quando

Modelo atual do sistema de saúde precisa mudar

Há muito que se discute que este modelo de gestão – se é que se pode chamar de gestão – está falido. Soluções apontadas por especialistas para resolver as deficiências do sistema de saúde passam por medidas como a criação de estruturas regionais de serviços médicos e a integração entre as redes pública e privada, além de melhoria na gestão de recursos. A necessidade de solucionar a crise na saúde

Quando o trabalho sério traz resultados

A Gazeta tem publicado neste último mês alguns índices de violência, comparando-os com o mesmo período de anos anteriores. Nesta edição abordamos os furtos de lojas ocorridos na cidade. Apesar de ter bastante destaque nos noticiários e a sensação de que estes casos são crescentes, os índices de violência têm diminuído consideravelmente na cidade. A queda de roubos de quase 70% de estabelecimentos comerciais é um reflexo da ação efetiva

Os números da crise

Os efeitos da crise econômica continuam causando desemprego e falências nos empreendimentos. Este reflexo continua a ser retratado no estudo mensal realizado pela Universidade de Caxias do Sul (UCS). A carta de junho do mercado formal de trabalho levantado pela universidade aponta para 203 postos de emprego fechados na cidade em junho. Já o acumulado dos últimos 12 meses ficou no doloso negativo de 1.387. No entanto, apesar de o

“Bater palmas com as mãos dos outros”

Hoje pela manhã a imprensa de Bento (pelo menos a Gazeta) foi “convidada” pela assessoria de imprensa da prefeitura, através de um aplicativo de mensagens, para acompanhar “a 1ª operação do GGIM: Avante Bento”. Como de praxe, o jornalista tem o dever de checar o significado das siglas e da ufanista “operação” que estava prestes a iniciar pela primeira vez. A resposta veio em forma de foto: algumas viaturas da

Falta austeridade para tratar  com o dinheiro público

Num momento desesperador para a economia nacional, provocado pela roubalheira desenfreada em todos os sentidos e em todos os órgãos governamentais, que reflete diretamente no bolso de cada brasileiro,seja ele empregado ou patrão, os políticos mostram mais uma vez a sanha: querem 3,5 bilhões para fazer a farra. 3,5 bilhões para Fundo Partidário nada mais é que o novo saque da conta do contribuinte para ser rateado entre todos os