Nova redução de 10 centavos no preço da gasolina em Bento

2015-04-10_190211
Desde outubro do ano passado, a Petrobras anunciou 6 cortes e 2 aumentos no preço dos combustíveis

Preço médio do combustível na cidade está em R$ 3,61 por litro

A gasolina está 10 centavos mais barata nos postos de combustíveis de Bento Gonçalves. Numa das abastecedoras consultadas pela equipe de reportagem, foi constatado que o valor da gasolina comum chega a custar R$ 3,61 por litro, dez centavos mais barato que a semana anterior. Neste mesmo posto, a gasolina aditivada está sendo vendida por R$ 3,69 por litro. Nos últimos meses tem sido comum a queda no preço do combustível.
Em Caxias do Sul o preço médio do combustível está alguns centavos mais caro que Bento. De acordo com o levantamento divulgado no último sábado, 1º, os postos da cidade cobram, em média, R$ 3,73 por litro, R$ 0,07 a menos em relação à semana anterior. Em 31 de dezembro do ano passado, o valor era de R$ 3,98, uma diferença de R$ 0,25. Nas refinarias, o valor caiu ainda mais: de R$ 3,42 em dezembro para R$ 3,14 nesta semana, uma redução de R$ 0,28 ou 8,18%.
Os valores são os menores desde a metade de outubro, quando a Petrobras passou a revisar mensalmente os preços. Na ocasião, o preço médio da gasolina em Caxias era de R$ 3,94. Após altas e baixas, o preço nas bombas atingiu o pico de R$ 4,03 em 17 de dezembro. A partir daí a gasolina seguiu uma tendência de queda, sempre com variações. A última alta expressiva foi no fim de abril, quando a Petrobras anunciou reajuste de 2,2%.
Na última sexta-feira, 30, a estatal anunciou outra redução nos combustíveis, seguindo uma nova determinação de revisar diariamente os preços. No sábado, o valor praticado nas refinarias foi reduzido em 5,9% para a gasolina e em 4,8% para o diesel. Se repassados para o consumidor integralmente, a revisão pode geral uma economia de R$ 0,09 e R$ 0,08 respectivamente. A decisão é baseada no aumento das importações do último mês, o que sinalizou a necessidade de ajuste de competitividade no mercado interno.
Trata-se da 3ª redução de preços nas refinarias em menos de 40 dias. O último corte foi anunciado no dia 14 de junho. Na ocasião, o valor da gasolina foi reduzido em 2,3% e o do diesel em 5,8%.

Histórico de reajustes
Desde que começou a nova política de preços, em outubro do ano passado, a Petrobras anunciou 6 cortes e 2 aumentos no preço dos combustíveis. O primeiro anúncio foi em outubro, quando o preço da gasolina caiu 3,2% e o do diesel, 2,7%. Em novembro, nova queda (de 3,1% e 10,4%, respectivamente). Em dezembro, foi a vez do primeiro aumento: reajuste de 8,1% na gasolina e de 9,5% no diesel.
Em janeiro, a Petrobras fez duas alterações nos preços: no dia 5, subiu o preço do diesel em 6,1% (mas manteve o da gasolina), e no dia 26, reduziu novamente o preço dos dois combustíveis. Em fevereiro, a Petrobras voltou a anunciarredução: de 5,4% na gasolina e de 4,8% no diesel. Março foi o primeiro mês desde a nova política de preços que não houve nenhuma alteração. Em abril, houve aumento de 2,2% no preço da gasolina e de 4,3% no diesel.
Em 25 de maio, os preços voltaram a mudar de direção, com o anúncio de redução de 5,4% para a gasolina e em 3,5% para o diesel. No dia 14 de junho, foi anunciado novo corte, de 2,3% para a gasolina e em 5,8% para o diesel.
Reajustes mais frequentes com nova política podem trazer alguma volatilidade para o item combustível no IPCA, uma vez que os preços irão variar conforme o petróleo e o câmbio. Porém nada que tenha um impacto relevante sobre a inflação, de acordo com analistas.
Os preços dos combustíveis vêm ajudando a aliviar os preços dos transportes e favorecendo a forte desaceleração da inflação. O IPCA-15, prévia da inflação oficial, mostrou que em junho o item caiu 0,66%, levando a uma queda de 0,10% nos custos de transportes.