Opinião da Gazeta

Cláusula de inclusão

Novamente voltamos ao 8 de março como o dia dos discursos dos que tratam as mulheres como diferentes o ano inteiro e, portanto, acreditam  que devam ser homenageadas por suas diferenças. A esmagadora maioria prefere a prática do dividir as tarefas igualitariamente, do reconhecimento profissional por meritocracia, do ser ouvida realmente, entre tantos pontos que definem a distância abissal entre dois gêneros. As mulheres merecem e estão se movimentando para que os conceitos e prática

Quem vai pagar a conta?

    Na última semana, o economista concursado da Câmara de Vereadores pediu exoneração depois de saber que havia perdido a batalha judicial contra o Ministério Público. A saída de Roberto Cainelli, em 2018, é reflexo de uma ação civil pública que teve início em 2010, um ano depois do concurso em que ficou mal explicado como a questão que decidia um empate foi anulada, beneficiando o ex-vereador. O Ministério

Quando a lei vai ser cumprida?

Há alguns anos a discussão sobre compra de vagas em escolas de educação infantil tem dado pano para manga. De um lado pais reclamam que não conseguem vagas para seus rebentos. De outro a Secretaria de Educação garante que atende 100% da demanda. Neste ano , novamente no último prazo, os pais ainda não sabem se seus filhos vão conseguir fazer a matricula, pois seus filhos foram destinados a escolas

Semana violenta

A semana que antecede o feriado de carnaval se mostrou como uma das mais violentas dos últimos meses. Iniciando na segunda-feira com alguns crimes considerados de menor calibre como assaltos, mas a terça-feira chegou com ataque um carro-forte, entre Bento Gonçalves e Veranópolis. Com trocas de tiros, os oito criminosos roubaram quase R$1 milhão de reais. Na fuga, fizeram uma família de agricultores de Monte Belo refém entre outras peripécias

1 em cada 5

A urgência em aliviar a sobrecarga do sistema carcerário no Brasil é um desafio dentro e fora dos presídios. Por um lado, o uso das tornozeleiras eletrônicas retira das celas presos provisórios, gerando economia para os cofres públicos. Porém, de outro, a fragilidade dos equipamentos permite que muitos detentos monitorados continuem praticando crimes. Hoje, dois a cada dez presos conseguem retirar ou desligar a própria tornozeleira, segundo dados da própria

A notícia e a informação

Ao finalizar a edição desta sexta-feira, cuja manchete principal é o número recorde de homicídios, a redação da Gazeta ficou agitada com uma informação de um homicídio na frente do shopping do centro da cidade. A informação que, felizmente, acabou sendo falsa, sem dúvida originou em um dos centenas de “grupos de notícias”do whatsapp. Com o surgimento da Internet e suas tecnologias agregadas, ficou corriqueiro qualquer pessoa poder fotografar, gravar,

O que esperar de 2018?

Ok, o ex-presidente sentou na cadeira de réu. O mundo não acabou e nem dá sinais que vá melhorar. O brasileiro tem a teimosia de ser esperançoso. Sempre aguardando quem o salvará. Em ano de eleição, então, o delírio é coletivo. Candidatos mudam de partido aos borbotões, fazendo cálculos mirabolantes para chegar à formula magica que lhe renda o número essencial de votos. Em Bento Gonçalves não é diferente. Há

100 famílias à espera do sonho de menino

Não há como negar que o problema social de mais de 100 famílias que serão desalojadas nos próximos dias não sensibilize até os corações mais duros. Mesmo sabendo que eles poderiam ter se mobilizado e criado uma associação para pleitear área de terras e ajuda do município, há de se colocar a mão na consciência e entender que as mazelas do dia a dia são tão urgentes, que os problemas

“Sonho de menino”

Nem bem janeiro começou e as pataquadas típicas de ano eleitoral já começaram a pipocar. Primeiro, o balão de ensaio de um comitê regional “lança” uma candidatura ao Piratini sem o aval do diretório estadual e, (risos) sem a presença do candidato ao cargo. Na última semana brota na “imprensa” o piegas e risível, se não fosse trágico, “sonho de menino”, com patrocínio de verba pública, confirmado com o logo

Os números encorajadores do setor privado

Apesar da choradeira geral, a economia está dando sinais inequívocos de recuperação. Até os bancos estão repensando os juros, conforme as últimas notícias. A reportagem do Rodrigo De Marco, da página cinco desta edição, revela que as concessionárias da cidade estão comemorando o crescimento no número de vendas de carros em 2017, que parece ter deixado o fantasma da crise lá em 2016. O aumento nas vendas chega a quase